PS ROMPE CONSENSO EM FARO: GOVERNO BLOQUEIA PLANO DE INVESTIMENTOS COM A CONIVÊNCIA DE VEREADORES SOCIALISTAS

03/11/2016

1. Foi conhecido, na quinta-feira, o indeferimento do Governo do Plano Municipal de Investimentos, no valor de 3,456 milhões de euros, de iniciativa do Presidente da Câmara Municipal de Faro, com o qual se iam realizar intervenções urgentes na rede viária do concelho e suprir lacunas em escolas, habitação social e no quartel dos bombeiros sapadores;


2. Esta decisão tem gerado inúmeras reacções de desagrado e espanto, quer na cidade, quer nas freguesias rurais. Perante tais manifestações, o PSD apelou a todos os partidos políticos para que se unissem, exigindo ao Governo que revisse a sua posição. Faro deve estar acima de tudo. Fizemo-lo na expectativa de que todas as forças políticas estivessem disponíveis para subscreverem um ofício dirigido ao Governo. Desse modo, seríamos, seguramente, mais fortes.

3. Em reunião de Câmara, na segunda-feira, o Presidente da autarquia apresentou uma moção que serviria para manifestar o descontentamento dos Farenses pela atitude do Governo, a votar com carácter de urgência. Não o seu, de um ou de outro partido, mas sim o descontentamento dos Farenses. Recorde-se que as obras tinham sido aprovadas por unanimidade.

4. Os Vereadores do PS impediram que a moção fosse discutida e arranjaram expedientes para forçar o seu adiamento, tratando a matéria como se não fosse inadiável e não exigisse tratamento imediato. Romperam, assim, o consenso.

5. Paralelamente, os deputados do PS na Assembleia da República, designadamente um putativo candidato à Câmara Municipal e o Presidente da Concelhia do PS, anunciaram que iriam agendar uma reunião com o Secretário de Estado do Orçamento, pretensamente, para resolver o imbróglio causado pelo Governo que apoiam. Dizem tratar-se e citamos "de uma questão de influência política", declaração grave que põe em causa o Governo e fere a autonomia local. No fundo, o que estão a dizer é que o Governo decidiu assim porque a autarquia não é da mesma filiação política;

6. Com esta atitude o PS Faro mostra que está já obcecado pelas eleições do próximo ano. Que, se o problema se vier a resolver, só tem interesse que se resolva se for sua a autoria. O PS Faro tem que estar na fotografia, e no centro da mesma. Não pelos Farenses, nem pela importância das obras para a sua qualidade de vida, mas sim por uma trama com objectivos eleitorais que já não se consegue esconder;

7.  PSD Faro apoia as iniciativas do Presidente - eleito pelos Farenses e seu legítimo representante - para contrariar uma  decisão que é violadora do interesse da comunidade, atrasa o desenvolvimento do concelho e frustra as aspirações dos cidadãos.

 

A CPS do PSD Faro

 

Agenda

Canal de Vídeo

Newsletter